BOAS-VINDAS

É uma grande alegria receber a sua visita. Tenho o real desejo de tornar este blog um espaço onde possamos discutir, de forma aberta e sincera, assuntos de interesse profissional para todos aqueles que participam da guerra diária contra a criminalidade e a violência.
As opiniões e comentários serão de essencial importância para o sucesso deste espaço de discussões.

OS ARTIGOS PUBLICADOS PODEM SER COPIADOS, DESDE QUE CITADA A FONTE

sábado, 1 de janeiro de 2011

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS INSTRUTORES DE TIRO POLICIAL

Neste 2011, ano que promete várias novidades para os policiais brasileiros (principalmente a possibilidade de decisão sobre a PEC 300), onde já começamos com um inédito reconhecimento de nossos valores como cidadãos através do lançamento das Diretrizes Nacionais de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos dos Profissionais de Segurança Pública, estou dando início a uma campanha nacional para a criação da Associação Brasileira dos Instrutores de Tiro Policial (ABITPOL).

Esta entidade, já existente em outros países, representará e congregará os policiais brasileiros, estaduais e federais, que desempenham as atividades, no âmbito das instituições públicas, de instrutores e professores das matérias de Tiro Policial, Armamento e Tecnologias Não Letais.
Serão alguns dos objetivos da ABITPOL:

  • Promover a cooperação e a congregação entre todos os instrutores de Tiro Policial, Armamento e Tecnologias Não Letais integrantes dos quadros funcionais dos órgãos, federais e estaduais, responsáveis pela missão constitucional de preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. São eles:
    • Polícia Federal
    • Polícia Rodoviária Federal
    • Polícia Ferroviária Federal
    • Polícias Civis
    • Polícias Militares
    • Corpos de Bombeiros Militares
  •  Colaborar, sempre que solicitado, com os órgãos públicos das diversas esferas administrativas dos poderes constituídos.
  •  Defender legitimamente os direitos e interesses dos instrutores perante a administração pública.
  •  Promover o reconhecimento dos cursos técnicos/profissionais em todos os níveis de instrução da matéria de Tiro Policial, Armamento e Tecnologias Não Letais, seja público ou privado, evitando-se o oportunismo de pessoas descredenciadas e/ou tecnicamente inabilitadas.
  •  Estimular a integração e cooperação entre os diversos órgãos policiais brasileiros.
  •  Propiciar a troca de experiências com iguais associações de outros países.
  •  Realizar diversas atividades de interesse coletivo, tais como:
    •  Assembléias e reuniões informativas.
    • Cursos de formação, aperfeiçoamento e especialização.
    • Provas de capacitação.
    • Seminários, convenções, congressos e feiras.
    • Publicação de boletins, revistas, livros e manuais de caráter técnico/profissional.
    • Testes, avaliações e certificações de materiais, equipamentos, armamentos e munições de uso policial, utilizando-se de rigor científico e independência profissional.
  • Conscientizar sobre a necessidade da intensificação dos treinamentos e de uma doutrina de formação continuada.

 Estou procurando apoio público e privado para que, através da realização de um Seminário Nacional sobre Tiro Policial, Armamento e Tecnologias Não Letais, possamos inaugurar a ABITPOL.

Solicito aos amigos leitores e aos companheiros da blogosfera policial que divulguem este artigo, informando que os profissionais que tenham interesse na ideia entrem em contato através dos e-mails abaixo, pois darei início a um cadastro nacional.

abitpol@gmail.com
majorwilson@hotmail.com




3 comentários:

Polícia Ferroviária Federal disse...

“A função do treinamento policial é capacitar o policial
para o trabalho diário.”
J.J. Ness

Este Blog é de suma importância para o Encarregados de Aplicação da Lei. Evidentemente, se o que se objetiva é a Instituição de Segurança Pública, na busca de indicadores, não se pode resumir a análise em algo que seria a essência do serviço policial, mas sim, deve-se construir um sistema coerente de avaliação que abranja as diversas atividades desenvolvidas pelas instituições policiais, de modo a aperfeiçoar a gama de atividades que desenvolve rotineiramente, possibilitando assim o monitoramento e a reavaliação das suas ações. Diretamente ligada à questão da missão da polícia, encontra-se a delicada questão dos meios para o cumprimento de seus objetivos. Um Estado Democrático de Direito, a polícia – e todo o serviço público – deve se basear no princípio da legalidade e no respeito aos direitos humanos consagrados constitucionalmente. Desse modo, não se pode, por exemplo, preconizar o desrespeito às leis em nome do combate à criminalidade. A missão da polícia deve, a todo momento, estar revestida da licitude e da proporcionalidade dos meios e fins, exigindo, com isso, que uma das dimensões de avaliação das organizações abarque indicadores de uso da força e de letalidade das polícias. Como se trata de um sistema fechado, mas não imutável, que busca o equilíbrio entre ações e recursos, o recurso à força física e à brutalidade não pode ser desconsiderado quando da construção de indicadores de desempenho policial. Melhor desempenho, assim sendo, haverá dentro daquela organização que consiga adequar os meios e os fins em busca da sua missão institucional. Deve-se construir um sistema que obtenha a legitimidade por parte de todos os níveis policiais, principalmente por parte das lideranças, e que seja visto, não como um instrumento de punição, mas como um instrumento de promoção dos bons policiais. Neste contexto, faz-se necessário construir indicadores que tentem abranger toda a gama de atividades das polícias, bem como as estratégias por ela utilizadas e colocadas em prática que possam apresentar resultados esperados.

Fernando Campelo disse...

Onde podemos nos escrever?

Anônimo disse...

Esqueceu dos militares das forças armadas, pois pelo que me consta os mesmos possuem pelo menos mais treinamento com armamento que um bombeiro militar, não desmerecendo logicamente, só a titulo de comparação.
E tenho certeza que muito militares das FAA tem muito a colaborar.