BOAS-VINDAS

É uma grande alegria receber a sua visita. Tenho o real desejo de tornar este blog um espaço onde possamos discutir, de forma aberta e sincera, assuntos de interesse profissional para todos aqueles que participam da guerra diária contra a criminalidade e a violência.
As opiniões e comentários serão de essencial importância para o sucesso deste espaço de discussões.

OS ARTIGOS PUBLICADOS PODEM SER COPIADOS, DESDE QUE CITADA A FONTE

domingo, 11 de janeiro de 2009

MANIFESTO DE UM OFICIAL DA PMCE

Hoje, depois de ler um artigo sobre os ideais revolucionários de Che Guevara, em comemoração aos 50 anos da Revolução Cubana, decidi dar uma revisada na história brasileira sobre temas ligados às revoluções. Folheando um livro de Paulo Bonavides e Roberto Amaral, intitulado Textos Políticos da História do Brasil, encontrei a transcrição do manifesto do Presidente Deodoro da Fonseca aos brasileiros, datado de 3 de novembro de 1891, logo após o primeiro golpe de Estado na República, com inspiração, acredito, puramente positivista:
"Quando a 15 de novembro de 1889 coube-me a honra de assumir o supremo Governo da República, em virtude da proclamação solene do Exército e Armada como altos depositários da vontade nacional, meu primeiro cuidado foi organizar a administração interna sob os novos moldes democráticos e preparar o país para o exercício da faculdade soberana de eleger os seus legítimos representantes..."
Não sei exatamente o porquê, principalmente após vislumbrar a frase destacada da transcrição acima, veio-me à mente a atual situação dos oficiais da Polícia Militar do Ceará em relação ao Clube dos Oficiais.
Incomoda-me, indigna-me, revolta-me, saber que uma pessoa tomou para si, de forma completamente obscura, a posse de um patrimônio conquistado por toda uma classe profissional durante longos anos, e que este patrimônio está sendo claramente dilapidado e usurpado.
Revolta-me, mais ainda, constatar que nada temos feito para impedir esta indébita apropriação, construída às custas de eleições manipuladas e mudanças irregulares nos Estatutos Sociais, contando, inclusive, com a conivência de alguns companheiros que integram a "Diretoria".
Voltando ao texto do Deodoro, já naquela época, falava-se na faculdade soberana de escolha de seus representantes, e isto dito por um militar de carreira, moldado na caserna desde os 16 anos de idade, líder de uma facção do Exército favorável à abolição da escravatura e, coincidentemente, fundador do Clube Militar. Por qual motivo, hoje, sob a supremacia da Democracia, ficaremos subjugados aos caprichos e vaidades de uma só pessoa.
Conclamo os amigos, principalmente aqueles que amam a nossa Corporação, para encontrarmos uma solução para este dilema. Já está claro que através das fajutas eleições não conseguiremos, somente com a força da justiça teremos como reaver um patrimônio que pertence lidimamente a uma classe profissional que, de forma discreta, desenhou a história do nosso Estado, mas que, infelizmente, está privada de seus legítimos representantes, como diria o Marechal Deodoro da Fonseca.

5 comentários:

Capitão disse...

Caro amigo Wilson,
Já me indignei tanto quanto vc e inclusive votei nas "manipuladas" 2 ultimas eleições, tendo inclusive concorrido como membro de uma das chapas, pena que não vencemos e nem venceremos pois o voto dos ofociais de reserva e dos civis não permite essa vitória, bem como os Oficiais da ativa não vão votar, muitos poucos comparecem.
Quanto a uma demanda judicial e preciso reunir documentação do clube, que acredito não nos será formnecida.
Estou disposto a ajudar.

Jano Emanuel - MAJOR

Nacarato PMCE disse...

Enquanto existirem duas classes diferenciadas: a dos sócios militares (poucos) e a dos sócios civis (maior parte), os quais são manipulados e/ou iludidos com as ofertas e facilidades para adquirir nos finais de semana as casas da "nossa" colônia de férias ... Será difícil vencê-lo nas "eleições", pois com a força da máquina e bem sabendo operá-la os votos dos civis fazem a diferença.

Alves disse...

Caro Major Wilson,

Sempre paguei o Clube, sempre votei nas eleições, no início de minha carreira profissional votei no atual presidente, depois passei a votar na oposição. Hoje fico muito triste com nossa situação, onde sei de tudo que tá acontecendo, não só no clube, mais também na Caixa Beneficente, que não tem nada de beneficente, pois tudo lá é muito caro. Espero um dia que o clube retorne para os oficiais, espero que ele retorne nos moldes de 1991 e 1992, tempo bom. Obrigado pelo espaço.

Anônimo disse...

caros companheiros, o que mais revolta é a forma que se sustentam essas gestões manipuladoras, isso causa revolta, mas sugiro uma força tarefa, atraves da informação para tentar mudar o que ora se estabelece.Sei que informações postadas pelos caros colegas são verdadeiras; cabe aos oficiais da ativa a mobilização geral. ass. SUBTENENTE ADRIANO, IRMAO DO MAJ ADRIANIZIO

JUAREZ disse...

Meu caro Wilson. Corroboro plenamente o seu posicionamento e dos demais colegas. O Clube dos Oficiais precisa ser rediscutido, sua função social, seus mecanismos de representatividade, seu quadro societário e o que é mais importante e urgente:PATRIMÔNIO E SUAS FINANÇAS. Hoje, a visão que temos é de uma "instituição privada", absolutada imune a quaisquer tipo de controle e completamente distante dos seus ideais originários. Considero essa manifestação bastante oportuna, contudo é preciso encarar o problema, porque querendo ou não, nós (jovens oficiais) vamos ter que assumir essa herança (mesmo que não sejam renegadas as regras da sucessão eleitoral brasileira). Um forte abraço